Fertilidade na mulher com cancro: Conheça os riscos

Home » População em Geral » Fertilidade na mulher com cancro: Conheça os riscos

fatores risco-01

Como pode saber se é fértil?
  • A capacidade da mulher ter filhos depende da existência de óvulos (células reprodutoras femininas) nos ovários e do normal funcionamento do útero.
  • Em cada mulher, a quantidade de óvulos é limitada e vai diminuindo com a idade, principalmente a partir dos 35 anos.
  • É possível ter uma ideia da fertilidade de uma mulher pelos níveis de certas hormonas e pela observação dos ovários com ecografia.
Depois do cancro ainda vai conseguir ter filhos?
  • É possível; no entanto, vários estudos mostram que os doentes com cancro têm menos probabilidades de vir a ter filhos.
  • Na mulher, alguns tratamentos do cancro podem fazer com que os ovários deixem de funcionar, causar alterações hormonais ou problemas no útero.
  • Os problemas de fertilidade podem ser passageiros mas, por vezes, as mulheres com cancro entram na menopausa mais cedo (antes dos 40 anos).
Quando deve conversar com o médico sobre os efeitos do cancro na sua fertilidade?
Se ainda quer ser mãe, mesmo que já tenha filhos, é muito importante conversar com o seu médico, na altura do diagnóstico e antes de começar os tratamentos, sobre o seu risco de infertilidade.
Antes de iniciar os tratamentos, há mais opções para proteger a sua fertilidade.
Como saber se os tratamentos que vai fazer afetam a fertilidade?
  • É difícil saber com certeza de que forma a sua fertilidade será afetada; o seu médico avaliará o seu risco de infertilidade.
  • A idade da mulher é muito importante porque a fertilidade diminui naturalmente com o passar dos anos.
  • Na mulher com cancro, o risco de infertilidade depende também do tipo e dose dos tratamentos que fizer.
Como é que os vários tratamentos do cancro podem afetar a fertilidade?
Cirurgia
Quando a cirurgia interfere com a função de algum órgão necessário para a reprodução (por exemplo o útero ou o ovário), a sua capacidade de ter filhos pode diminuir.

Radioterapia

  • Quando a radiação incide na região dos ovários ou do útero pode diminuir o número de óvulos da mulher ou afetar a sua capacidade de manter uma gravidez no futuro.
  • Se a radiação incidir sobre a glândula hipófise (localizada no cérebro) também pode afetar a fertilidade.
  • Normalmente, o risco é maior quando são aplicadas doses maiores de radiação.

Quimioterapia

  • Alguns medicamentos usados em quimioterapia podem diminuir o número de óvulos da mulher ou afetar o funcionamento do ovário;
  • Quanto maior a dose do medicamento e a duração do tratamento, maior é o risco de infertilidade;
  • Não se sabe ainda se alguns medicamentos mais modernos, como as terapêuticas biológicas, podem afetar a fertilidade.

Terapêutica hormonal

  • Estes medicamentos (ex. goserelina ou o tamoxifeno) são normalmente usados para evitar que o cancro da mama reapareça.
  • Este tratamento pode afetar a fertilidade mas, em geral, os efeitos são temporários.
  • O tratamento com tamoxifeno é feito durante vários anos e a mulher só pode tentar engravidar se suspender o tratamento ou quando este terminar.

Transplante de células de medula óssea ou sangue periférico

  • Nalgumas situações está indicada radioterapia ou quimioterapia em altas doses com transplante de células estaminais da medula óssea ou sangue periférico.
  • A quimioterapia ou radioterapia em doses elevadas provocam muitas vezes infertilidade permanente.

 

 

A informação disponível neste website tem apenas finalidade educativa e não deve substituir o aconselhamento, diagnóstico ou tratamento médico profissional. Consulte sempre um profissional de saúde qualificado para esclarecer quaisquer dúvidas relacionadas com a sua saúde.

Última atualização: Fevereiro de 2014.

Informação elaborada com o apoio da

LPCC